Bem-vindo ao Blog do Caminho das Folhas.

segunda-feira, 13 de agosto de 2018

as sete encruzilhadas do frei

Quando dizemos "chegamos a uma encruzilhada" o mais das vezes a expressão não corresponde ao que queremos dizer; encruzilhada tem pelo menos três caminhos, aquele pelo que viemos e mais dois.  Ou três, e aí a forma de cruz é perfeita (são as encruzas fêmea e macho na Umbanda).
Mesmo a de três (trata-se na verdade  de uma bifurcação em ângulo reto) oferece diversas opções. Voltar, ficar parado na confluência, ou seguir por lá ou por cá.  E mais uma opção na encruzilhada de quatro; nenhuma portanto significa escolher entre DUAS coisas apenas.
Temos na Umbanda o Caboclo das Sete Encruzilhadas, termo mais associado  aos Compadres, Caboclo esse da linha de Oxóssi e por um curioso caminho também ligado a Obaluaiê, cujo dia este ano cai numa quinta, dia dedicado a Oxóssi; e me mandam falar um pouco dele aqui. E de suas encruzilhadas.
Esse Caboclo foi em vida um frade jesuíta de origem italiana, não um indígena apesar de ter tentado catequizá-los no Maranhão. Não parece ter sido longa, se existiu, a sua permanência no Morro do Castelo no Rio, como sugere o excelente documentário sobre o Morro, recentemente mencionado aqui. Dos sertões maranhenses voltou para Lisboa onde a vida o fixara, e o resto é História. Sua fama de taumaturgo, sua insistência em atribuir o Terremoto ao castigo divino, suas amizades com influentes inimigos da Coroa o condenaram à fogueira já bem idoso, o derradeiro sentenciado a ela, em 1761.
Malagrida deparou-se de cara com a encruzilhada do que fazer com a sua vida, e optou por ser frade. Foram vindo as outras, entre as quais falar ou calar (ele falou)  e a última foi abjurar, fingir que abjurava ou aceitar que dissessem que abjurava os erros imputados, pois foi garroteado antes de morrer, pena suavizada em relação a "ir a morrer vivo" como se dizia. O garrote luso era de couro e aplicado com o réu já amarrado (em tudo diferente da horrenda invenção espanhola que era castigo em si).
O Caboclo chamou a si essa alma pela ligação com a nossa terra e seus primeiros donos, e isso vai bem na linha de Oxóssi. O dom de taumaturgo e o fogo abriram uma porta de comunicação com Obaluaiê. Esse Caboclo tem grande poder de cura para moléstias da pele, mandadas ou não. Sete chacras são as suas encruzas, mas chegou a hora de calar e homenagear esses dois grandes orixás, o frei Malagrida e o Caboclo.
Salve o 16 de agosto, salve a quinta-feira. Salve o Caboclo da Sete Encruzilhadas.
A toto, Okê Arô.


sexta-feira, 10 de agosto de 2018

a lei no bolso

E olha que não ligo para Dias Internacionais da Mulher... (li que a Escandinávia leva a sério o festejo, regado a álcool a noite inteira enquanto os homens olham as crianças).
Mas se fosse preciso, as páginas policiais dos últimos dias nos lembram o que já sabemos, muita mulher morre porque é mulher. Não se trata de assalto, explosão, bala perdida (mas encaixa em casos de terrorismo de um tipo infelizmente tornado comum no Velho Mundo). Vimos mais uma vez estes dias que o flagelo atinge mulher de pedreiro e advogada, sulista e nortista, judia e cristã, e é perfeitamente igualitário na cor de agressor e de vítima.
A maioria dos homens e mulheres a favor da lei de 2015 não acha que todo varão seja estuprador só por ser varão. Naturalmente o representante da bancada da bala que concorre ao cargo máximo, eu não escrevo palavrão, perguntou às mulheres o que preferem, "a lei do feminicídio no bolso ou a pistola na bolsa". Nem parece que ele num assalto teve de entregar a sua para o assaltante, e era então um homem jovem e forte com preparo físico superior à imensa maioria das mulheres.
Morrem meninas de 16 anos e menos, morrem mães na frente dos filhos; e mulheres casadas de novo que tentavam reconstruir a vida, até o agressor brotar da calçada. De todas as cores e religiões e de todas as regiões e faixas sociais. Desde sempre.
Uma lei não corrige modo de pensar de ninguém. Mas saber que a pena será agravada, e aumenta de um terço mais se o crime se der em presença de filho, ajudará a coibir e em todo caso é o mínimo a se fazer pela vítima.
Elza Soares defendendo a mulher que apanha em casa canta " Você vai se arrepender de levantar a mão pra mim".  A lei defende as que não tiveram tempo ou coragem, como na canção, de dizer "Cadê meu celular?" e ligar pra polícia.

domingo, 5 de agosto de 2018

as calçadas de paraty

Não estou aqui para quebrar lanças pela Festa Literária de Paraty, até porque, conhecendo alguns dos que vão, observo que muitos ou buscam o lugar da moda ou querem falar o mais alto possível; pouco lêem e às vezes acho que o nome deveria ser trocado. Festival Organizado de Debatedores, quem sabe? não, esse talvez não dê certo.
Mas se não freqüento a FLIP gosto muito da cidade e reconheço que não é amigável aos cadeirantes. Nenhum sítio histórico é. Nenhum foi pensado para cadeirante e não menos porque não existiam cadeiras para eles; então não posso concordar com o jornalista que levou um tetraplégico à cidade, conhecendo-a: parece que com intenção de criar caso e de reclamar que a prefeitura não ajeita as calçadas (o que seria proibido no quadro do tombamento).
Mas sim, a festa perde uma oportunidade de deixar de ser barreira e tornar-se porta aberta: bastaria para a duração do evento instalar calçadas e rampas reutilizáveis nos principais acessos.
Macchu Picchu, Huayna Picchu e as torres de Notre-Dame não comportariam esta solução. Paraty comporta. Para a duração do evento anual.
Vivam as cidades tombadas, e viva a qualidade de vida dos cadeirantes, que possam deixar de sê-lo como alguns já vêm deixando.