Bem-vindo ao Blog do Caminho das Folhas.

sexta-feira, 3 de fevereiro de 2023

pra não dizer que não falei dos cantos

 Esse vai pra Rubem Braga,

Na Argentina um engenheiro percebeu um cilindro de pau amarrado ao poste que devia vistoriar na pampa. Percebeu que o cilindro era um pedaço do poste antigo. E descobriu entrando e saindo pelo orifício que haviam produzido um casal de pica-paus.  Cuidando da ninhada. Parece difícil imaginar o par aguentando a barulheira de serrarem o poste acima e embaixo do pedaço preservado, mas preferiram isso a perder o trabalho.

Não descobri como se diz pica-pau por lá, Sabiá sei, é zorzal. Serve?

Na banca onde compro toda semana um exemplar da Folha e às vezes do Estadão, está suspenso uma gaiola mínima com um coleiro dentro.

Reclamo com o jornaleiro, um da família que vejo pouco: o coleiro é dele

.- Esse é um que comprei pequeno ainda .Pequena? Gaiola grande não serve não pra passear. Em casa tem um gaiolão.

O jornaleiro vem trabalhar. O coleiro vem passear (e servir de rádio). Divisão de tarefas.

- Fêmea? Claro que tem. Dentro da gaiola grande. Em casa.

Pragmatismo, a fêmea não canta, então não "passeia", é uma coleirinha do lar.

Não suporto que engaiolem passarinho mas esses, comprados no criadouro ou viveiro ou como lá se chame, não têm vida ruim. Rubem Braga ia gostar de saber.




quinta-feira, 26 de janeiro de 2023

às avessas?

 Na página de opinião do Globo, espaço onde com proveito lemos volta e meia considerações daquele general que foi porta-voz do governo, e dissociando no título direita da quebradeira, empresária paulista se assombra com o mundo às avessas.: "Hoje a direita é terrorista e o PT é Planalto."

A frase me incomoda muito. Concordo que direita não é para ser quebradeira, a Noite dos Cristais foi levada a cabo por nazistas, que explodiram qualquer definição. A destruição em Brasília foi arquitetada por colegas de profissão desta moça, e por militares, "soldados armados amados ou não". Alguns membros destas duas categorias inclusive participaram, ativos no meio da tropa de baixa classe média fantasiada com as cores nacionais, e esta moça bem o saberá. Mas estes participantes são exceções, e os comanditários não serão, esperemos, maioria. 

Nem por isso o resto é automático. Teria gostado de ler que a direita civilizada não é quebradeira, e preza o Estado de Direito, abominando entre outras coisas a tortura. e o elogio a ela.  E definir "civilizado" é sempre bom. A Hungria tem um presidente que se vê como civilizadíssimo, um homem fino e culto e o Estado de Direito por lá está por um fio, se é que ainda está.  Bons modos e erudição apenas ajudam. Faltou esta visão, e capengou mais a ideia ao assimilar o partido do atual presidente ao terrorismo. Quem redige estas mal traçadas está longe de ser admiradora do senhor em questão. Mas quando foi que o partido dele destruiu símbolos nacionais, invadiu monumentos  nacionais, tentou promover um golpe, conclamou ao uso generalizado das armas.

Bem mais próximos do terrorismo estiveram os famigerados black blocks que nem a originalidade de um nome e um conceito souberam inventar, macaqueando o que viam ao norte do Rio Bravo.  Quebravam mobiliário urbano, destruíam vidraças de monumentos nacionais e de lojas ligadas a templos umbandistas (tinham uma ala, .pois é... neo-pentecostal)  e queriam a destituição da presidente, do mesmo PT. 

A empresária sugere que os seus pares façam o que sabem, "ou seja pensar". Pensem sim,  cabeças e ideias são sempre bem-vindas, mas pensem também na maneira de nunca mais se associem a movimentos de destruição, seja de políticas públicas, de livros, de instituições, do Estado de Direito e por fim da destruição física, cristalizando tudo isto; destruição de bens tombados e também de vidas humanas, animais e vegetais.  Yanomami e Mundurukus, Amazônia e Cerrado vão agradecer.



quinta-feira, 12 de janeiro de 2023

mão amiga...

 Há anos e anos digo, Os evangélicos querem destruir tudo, e querem a guerra civil. Nos últimos anos aprendi a corrigir para "os evangélicos radicais". Vejo muitos que são digno, honestos, aliados em vez de inimigos. Nenhum destes manda quebrar terreiro, nem coisa alguma. Porém com esta ressalva, que abrangerá quantos: 70, 100, mais talvez? o que se viu foi ao pé da letra o que eu dizia, só uqe nunca pensei tão ao pé da letra assim. Destruir a cultura até fisicamente, e destruir as instituições e os locais que as abrigam

Raciocínio de varões às vezes me deixa perplexa .O ministro declarou que havia muitas profissões, que  não existia um perfil., Faltou dizer um perfil professional: ele computou gente do agro, empresários, médicos, e tal.  Porém todos e todas erram brancos a 99%, os demais morenos. E todos absolutamente, evangélicos, de orar na Esplanada e  dentro dos Palácios como faziam no bloqueio. A maioria, vá saber ´por quê, homens de 52 anos, Isso é um perfil. Aí leio textos muito bem vistos e pensados de doutores vários em que todos falam de lumpen e de massas querendo justiça social.

Esses não vieram. Comerciantes, advogados, militares, "gente do agro". Lumpen não .Poucos eram agricultores modestos, como os dois baianos cooptados pela rede (lumpen de celular?) que liberados chorosos ´pela polícia diziam, Patriota não quebra. Isso foram os infiltrados. 

Aí estão as palavras-chave. Redes sociais e o seu novo abre-te Sésamo , "infiltrados". Estas sombras grudam nos acampados, nos amotinados, e eram os que agrediam policiais e jornalistas; são os de fato depredaram. Esta é a lenda que os mais passivos levam embora consigo: patriota gente de bem., não bate, não quebra. As punições contra notícia falsa têm de ser muito mais eficazes e céleres. É necessário chamar os pastores a partir de agora para a responsabilidade que têm. Eram infiltrados que "oravam" de verde-amarelo? Eles sabem que não. 

Para complicar o já difícil, militares e policiais igualmente adeptos dos pastores cometeram o papelão que cometeram, Há vídeos, depoimentos, exonerações.   Exonerar o quebrador, sim, mas os altos coturnos que organizavam o acampamento e o mandavam ampliar?  Essa  "mão amiga" faltou, ficou o braço forte, armado de paus e de Bíblias. 

Esse nó precisa ser desatado, para que sobrevivamos.  Sônia Guajajara, Marina e Anielle , proteção , bom trabalho!

sexta-feira, 6 de janeiro de 2023

o sabor do sal

 Em nome da governabilidade, atam-se alianças nocivas e vergonhosas. A ministra do Turismo já pelo nome se sabe, até quem não leu muitas vezes o nome dela como esposa de pessoa ligada à milícia. Ela diz (pois negar o fato que é ligada a milicianos seria impossível) "Amizade não significa compactuar com os crimes".

Ah, eu acho que significa sim. Parente não se escolhe. Amizade sim. Só se fosse amizade antiga dos tempos da adolescência, isso existe. Há bairros que numa turminha de amigos, ao chegar aos 30 os sobreviventes fazem as contas e dizem, " Dois estão presos, três morreram de bala, e desses três dois foi a polícia, o outro assalto; só tem mais eu e você, que está no crime " Porém se fosse o caso acredito que estivessem alegando essa velha amizade; não estão. A ministra deixou o nome pela qual sempre se deu a conhecer, e oficializou o sobrenome que é dela. Muito bem, mas isso nada muda, senhora.

Belford Roxo é bairro triste, sem vegetação, como se as pessoas não quisessem chamar a atenção par si; nesse aspecto lembra muito a China.  Quatro palmeiras na entrada, plantadas por algum prefeito, e arbustos em vasos no Centro Cultural que existia até a pandemia começar; oxalá ainda esteja lá. Praticamente todas as casas têm portões altos blindados, o recado é claro.  O miliciano mais recente  a ser desencavado pela imprensa consta que aterrorizou a população para votar no 13. O acordo já vinha de antes, então.

 E ainda é melhor do que o governo passado? sem dúvida. Mas milícia é um pouco muito mesmo assim. Não gritamos Fora miliciano! e Fora milícia! durante quatro anos para vê-los agora no governo. Há um político, ex-PSOl, ex-PSDB e agora PT cujo irmão foi morto pela milícia. Que chorou e nos fez chorar quando assassinaram aquela saudosa vereadora sua colega de partido, o partido que era dele na época. .Agora é obrigado a trabalhar lado a lado com a distinta. À imprensa, respondeu que "Quem tinha que falar é  ela".

Faço votos que a dona se demita, mas parece que não pretende. Ficando corrompe tudo.  Ao novo governo se sugere releiam o trecho da Bíblia em que se diz, E se o sal perder o seu sabor? Não existe milícia do bem.


domingo, 1 de janeiro de 2023

lateralidadea

 Cientistas políticos avaliam que não vamos despolarizar e será preciso aprender a conviver em harmonia. Triste, mas parece correta a análise.  Porém  complica se uns defendem armas e pena de morte, para não dizer nada da destruição ambiental e  ameaças ao Estado de Direito; e os pecados do outro lado vão de ironias na rede a  pontos polêmicos no passado do presidente. Esse passado também teve coisas louváveis e não houve muito que louvar nestes quatro anos.

Acredito que  o lado da democracia já está bem encaminhado nessa tal aprendizagem. Afinal muitos de nós não gostamos particularmente do presidente recém empossado, nem somos, a começar pela primeira -dama, da religião da bem-vinda re-Ministra do Meio Ambiente; ela sabe disso. Estamos juntos pelo bem comum. Já o outro lado precisa se entender primeiro consigo mesmo ou jamais conviverá com quem quer que seja: como é possível agitar uma Bíblia numa das mãos e um fuzil na outra? 

Nos  tendo fornecido rica matéria-prima para piadas de internet e não poucos sobressaltos, os ditos patriotários, os que usurpam as cores nacionais e hinos idem, começam a ir para casa, não sem tentativas frustradas de remover a causa principal de sua fúria. Lá, não mudarão de opinião. Ontem, último dia do ano, os da Esplanada brigaram, alguns defendendo a posição oficial do Exército e os outros exigindo que determinado general do agora ex-governo assumisse a presidência. Aquele, dos murros na mesa.

Essas pessoas não acompanham noticiário senão pelas redes sociais da extrema-direita e tendem, conheço casos, a reproduzir suas crenças no modo de ser. Serão difíceis de conviver. Mas já convivemos, afinal de contas, sob o mesmo céu. É preciso apaas ficar de olho, não são de confiança.

Ah sim, e alternância de poder é uma coisa. Mas urge meter na Constituição algo que impeça  o democraticamente leito de tentar destruir a democracia. Alternância de poder é uma coisa, repito. Aproveitar o poder para destruir a textura do país físico não pode ser considerado válido.

Sobrevivemos, vamos sobreviver ao que será um ano pesado sem a menor dúvida. Viva o Brasil em 2023;

 





quarta-feira, 14 de dezembro de 2022

fundamentalismo mata

 Eu sei que ainda é Copa, Messi brilha, já é quase Natal. Sei que  ainda é o desgoverno,  as ruas ardem no Distrito Federal, já é quase a posse. Ainda assim um pouco de ação virá muito bem para o que acontece no Irã.

Favorecido sem dúvida por Copa e Natal onde é festejado, pelo brilho de um país muçulmano na semi-final por primeira vez, os aiatolás estão a sangue frio matando a sua juventude e não hesitarão em enfocar também intelectuais famosos como o co9neasta que está detido há meses. Quero estar errada, desejo que correntes menos sanguinárias se oponham a mais mortes, porém dão a impressão de querer enforcar um jovem a cada dois ou três dia, na base do guindaste em praça pública (na Coréia do Norte obrigam crianças a assistir, a Pérsia é país de alta cultura- como foi a Coréia- e a tanto não chegou.)

Um governo que assassina a sangue frio a sua juventude sob a acusação de "inimizade contra os valores da República Islâmica". Inimigos da vida, matam, com guindaste. Falta apedrejar as adolescentes que arrancaram o véu e xingavam, saltando e gritando,  as diretivas do ministro da Educação. 

Além de assinar tudo o que puderem, e não apenas o que receberem, lembrem também quando estiverem com parentes e conhecidos aptos a defender os aliados do desgoverno tupiniquins, que isto é o que acontece com governos totalitários baseados em religião fundamentalista. Teria outro perfil aqui, teria outro perfil se a invasão do Capitólio tivesse vencido. Haveria talvez mais menções a uma Terra plana. Mas governo fundamentalista não é apenas tóxico intelectualmente, o que jpa pe muito. A qualquer instante se torna peçonhento, e aí vêm os guindastes. Eu sei que ainda é Copa, Messi brilha, já é quase Natal. Sei que  ainda é o desgoverno,  as ruas ardem no Distrito Federal, já é quase a posse. Ainda assim um pouco de ação virá muito bem para o que acontece no Irã.

Favorecido sem dúvida por Copa e Natal onde é festejado, pelo brilho de um país muçulmano na semi-final por primeira vez, os aiatolás estão a sangue frio matando a sua juventude e não hesitarão em enfocar também intelectuais famosos como o co9neasta que está detido há meses. Quero estar errada, desejo que correntes menos sanguinárias se oponham a mais mortes, porém dão a impressão de querer enforcar um jovem a cada dois ou três dia, na base do guindaste em praça pública (na Coréia do Norte obrigam crianças a assistir, a Pérsia é país de alta cultura- como foi a Coréia- e a tanto não chegou.)

Um governo que assassina a sangue frio a sua juventude sob a acusação de "inimizade contra os valores da República Islâmica". Inimigos da vida, matam, com guindaste. Falta apedrejar as adolescentes que arrancaram o véu e xingavam, saltando e gritando,  as diretivas do ministro da Educação. 

Além de assinar tudo o que puderem, e não apenas o que receberem, lembrem também quando estiverem com parentes e conhecidos aptos a defender os aliados do desgoverno tupiniquins, que isto é o que acontece com governos totalitários baseados em religião fundamentalista. Teria outro perfil aqui, teria outro perfil se a invasão do Capitólio tivesse vencido. Haveria talvez mais menções a uma Terra plana. Mas governo fundamentalista não é apenas tóxico intelectualmente, o que jpa pe muito. A qualquer instante se torna peçonhento, e aí vêm os guindastes.


quarta-feira, 7 de dezembro de 2022

a cor do som

 Pois é. Logo antes do segundo turno a antiga Rádio Ministério, ou seja a MEC reprogramou a edição da Independência, com bandas militares e "os quatro Hinos Pátrios" (sim, porque hinos há os do estado e cidade, embora ninguém conheça, dos clubes...) Nesse 29 de outubro era a banda do Exército. Nos dias seguintes, repetiram a repetição e ainda nos brindaram com a Banda da Aeronáutica, desta vez até onde lembro tocando Fantasias e o bom Pe. Nunes Garcia

Reclamei para não perder o hábito. Não do Exército ser convidado a tocar na MEC pelo 7 de Setembro, mas da rádio reprogramar na véspera do 2o turno, e dias seguintes. Quando se amontoavam palhaços auriverdes, indevidamente  se apropriando das cores nacionais pelas estradas bloqueadas... e pedindo que interviessem os que tocavam a melodia de Dom Pedro I com tom tão marcial. Ah, tocaram o Hino da Independência também, e nas duas vezes tive o prazer de lembrar na mensagem enviada que este foi o hino entoado pela multidão da Candelária, Lucélia Santos puxando o coro, e TODOS sabíamos a letra, lá no Comício -elas Diretas. Da segunda vez, o eleito já escolhido,  me ocorreu lembrar que estava presente naquele palanque com o cantor-compositor que agora precisa provar que de fato compôs uma de suas peças mais famosas; a que está em seu terceiro disco.

Não sei se esta Copa realmente ajudará a diminuir a clivagem. Vejo jornalistas declarando que compraram a  camisa azul para não serem confundidos, vejo a recusa de torcer dos psicopatas- pois são sim psicopatas, até ambulância impediram de passar, bateram em jornalista até da Jovem Pan-cada, etc;  declaram vaiar os gols. Só hoje o primeiro foi preso, é pouco.

Se a Copa já teve um lado muito positivo mesmo antes de acabar,  foi mostrar que o autor dos gols da primeira partida tem todo aquele trabalho formoso por fora, e até "adotou" uma onça pintada num instituto de preservação da vida animal.

Salve ele, mas que não nos nasçam garotinhos batizados com o seu espantoso prenome.