Bem-vindo ao Blog do Caminho das Folhas.

quinta-feira, 11 de agosto de 2022

coturnos

 Primeiro iam punir o militar que em sua página criticava as eleições, as urnas e a candidata, com termos chulos. Iam substitui-lo por outro mais palatável.  Apagaram ou mandaram apagar o seu perfil. Mas a clivagem existente por lá levou à declaração oficial que NÃO iam substituir (de pirraça? senhores... ) . Pois a Defesa, na pessoa de seu caricato representante, considerou "inamistosa" a maneira de denunciar o absurdo. Comentar amistosamente que o ilustre chamou duas mulheres de "vaca"?

Se fosse só não enviar outro fiscal de coturno, o que pe em si uma aberração, não faria a menor falta. Mas a Defesa a cada dia mais delirante agora quer inserir nove fardados, três de cada Arma, exclusivamente para  ajudar na parte técnica pois o Tribunal usa o sistema Java e outro mais que os colegas não dominam. Então bastaria UM, nove é alucinação. Se sabe que em tese o Exército é um dos organismos que pode fiscalizar as urnas, mas até agora não se lembrara de o fazer e o ministro civil que se lembrou de os chamar não tinha a mais remota noção do" pensamento militar". Em sua versão doentia, pois há mentes brilhantes como o ex-porta-voz que hoje , em face de um "pleito dos mais divisivos", se preocupa em artigo do Globo pela solidez da nossa democracia.

A Folha de São Paulo comenta que a redação do plano de governo do inquilino  do Alvorada foi redigida por ministros e auxiliares fardados, o que levou a coisa a ter jeito de "metodologia militar". Supõe-se que a redação seja clara e objetivo;  já a do advogado, civil, do capitão, que também deseja concorrer, é embrionária. Montou uma página para "expor as suas ideias" e explicou ao repórter que ideia ainda não tinha nenhuma. Pois é.

Já o vice, que deseja concorrer em seu Estado natal, autodeclarou-se  "branco" desta vez, quando em 18 era "indígena". O jornalista teceu considerações, ser indígena era um interessante contraponto ao racismo do mandatário, ao passo que no Sul indígenas são mal vistos. No dia seguinte à matéria da Folha, o vice-presidente tonou a se declarar indígena, comentando ter havido um erro técnico no preenchimento. Ponto para ele então, e pro jornalista. Mas que estamos nos tornando república de bananas, estamos. 



quinta-feira, 28 de julho de 2022

das macaias

 

Alguém já notou o quanto os evangélicos (definição que os diferentes interlocutores deram, não é preconceito meu) manifestam aversão às folhas e plantas em geral? Algumas mais, claro, abominam jurubeba por exemplo ("do demo") e se veem, tentam cortar. Aqui perto renasceu uma e o cortador sumiu. Uma jurubeba é de Exu, a de espinho, as outras não, mas todas pagam por serem jurubebas "planta nobre do sertão" como cantou o nosso Gil.

Duas diferentes senhoras que se queixavam  de e azias  e coisas afins rejeitaram qualquer sugestão de ervas, alegando  mesma coisa,  Erva não, sou evangélica.  Eram pessoas que achavam normal me submeter às lamentações, de nível cultural muito baixo, esposas de pajés vivendo no Rio. (e tinham eles a responsabilidade de não fazer delas companheiras de verdade e deixá-las em casa ouvindo o pastor). Quando a pessoa tem intelecto em melhor estado, pode deixar sementes  a resposta, E você acha que Deus criou a natureza mas as plantas não? 

Tudo isso porque tento compreender como podem aceitar tantos integrantes deste segmento a destruição promovida pelo desgoverno. Em parte não a querem ver porque quem diz é maconheiro e "cumunista". Temo que muitos e muito considerem bem feito, essas coisas diabólicas merecem.

Não percamos uma só oportunidade de mudar essas cabeças. Na Umbanda a folha é a macaia. Talvez os aficionados não saibam que maconha por sinal significa "folha" em quimbundo.




domingo, 17 de julho de 2022

já estão metralhando

Leio hoje na Folha  que é difícil para especialistas criminalizarem discursos de ódio quando não são seguidos por atos: "ninguém metralhou a petralha", diz o sociólogo, nem "incendiou fascistas". Cabe aqui dizer que ignorava tudo desta conclamação absurda. Deve ter circulado em redes sociais, de que me abstenho; que problema  traz escrever e gritar, Fora fascistas?  Criar telhado de vidro do nada é anti-estratégia. Vem o tal instituto e equipara o inequiparável.

Porque é impossível de equiparar. A charge da Folha lá do começo da semana mostra de um lado um alvo humano, do outro fuzis apontados, com os dizeres: Basta de Polarização. A coluna do BMF no Globo denuncia o termo, avisa que existe permanente fascistização de um lado e pronto.

Quem duvida analise as justificações do deputado Quebrador de Placa, o do-cabelo. Invadiu passeata do candidato mais democrático ao governo do Estado porque "não podia ficar assistindo o outro lado insultar a família dele e a do presidente da República". A ele, devem ter chamado de filho da puta, com todas as letras que merece. À famiglia, terão chamado de fascistas e ladrões. Esta merece as definições. Aquela, a do invasor, não era alvo específico e não teria ele ouvido nenhum impropério se ficasse em casa. Ouviu porque foi fiscalizar, como já tentou fiscalizar com o  Segundo Quebrador  o colégio PII. 

E discordar do presidente virou crime na cabeça de fascistas, como o ataque em Foz do Iguaçu demonstrou. Nos dois casos era um encontro a favor de algo, a comemoração de um aniversário, a passeata de um pré-candidato. Mas ser a favor do que os armamentistas condenam passou a merecer pena de morte. Ambientalista, nem se fala, e se o culpado for indígena. então.. Ontem, dois anos depois do atentado, a PF prendeu o suspeito de matar um dirigente Uru E Wa Wa. Se dependesse do governo, não prendia.

Num dia que em tese é do meio-ambiente, (mas deveriam ser todos os dias) é um modesta promessa de justiça. Melhor seria tê-lo vivo e ativo. Um aspecto positivo destes tempos mortíferos é a proliferação de jovens mulheres indígenas que põem cocar na cabeça e a boca no mundo. Outro é a união contra a destruição; daquele infeliz pajé obrigado a botar gravata e ir ao culto não se fala mais. Os povos nativos perceberam, muito antes do atentado de Foz, que já estão nos metralhando.














sábado, 2 de julho de 2022

negros como andre rebouças e princesa isabel

 O marombado merece a medalha. Ele leu 832 livros!! gente, ele os conta!!! Gostaria de saber quais.

Sem a menor dúvida estudou, acho que é formado em Direito. Um terço dos 832 serão livros de leitura obrigatória. E é possível que ele esteja computando também algum livro de sua infância. Não me arrisco a imaginar qual ou quais. 832!!

Mas o marombado quebrador de placa também questiona a definição de intelectual, daqueles diversos poetas que recusaram a homenagem ontem pra "não levar um tiro no coração em vez de uma medalha" na definição de um deles. Questiona, e é aí que entram os 832 volumes. Ele tem isso tudo aas estantes e NUNCA OUVIU FALAR dos poetas em questão. Não é o desconhecer que se reprova; nem todo mundo gosta de poesia.  Duvido muito que o físico ou contador médio conheça profundamente os poetas vivos brasileiro. Até aí nenhum desdouro. O problema é o moço definir a irrelevância dos poetas por NÃO estarem entre os 832. Li 832 livros e nenhum deles está ali, então quem são eles? Bota eles no Twitter pra ver se são populares. Palavras dele.

A César o que é de César, o primeiro quebrador de placa não foi ele e sim seu amigo com-cabelo, que quebrou sozinho a placa Zero, na Cinelândia, quando era assessor do Filho Um. Esse da medalha foi junto da inesquecível segunda vez, na serra, com o futuro e barrigudo ex-governador a gargalhar.

Repito, esse aí sabe ler e escrever com fluência, estudou (e leu 832 livros). Outro homenageado foi o ex-PM que usa três sobrenomes, o do mandatário, o da certidão que me recuso a escrever, e a alcunha de Negão. Jeito de miliciano, depois de eleito comprou muitas correntes de outo, um investimento.  Esse estudou menos; mas diz gostar de ler História do Brasil o que só é louvável.  Reclamou que aqui "enaltecem alguns negros mas esquecem de outros. Falam muito de Zumbi dos Palmares, mas esquecem de André Rebouças e princesa Isabel." Palavras dele.

Bem, Rebouças ganhou um túnel em sua homenagem, não anda tão esquecido assim. Abolicionista, era contudo muito confuso. Tinha escravos em casa, que ia libertando de um em um em festas nacionais ou de santos de sua devoção.  É muito possível que o adolescente médio de qualquer cor e qualquer extração social ignore quem ele foi, e que fosse negro, ponto para o recentemente homenageado nesse caso. Será como o famoso relógio parado que tem razão duas vezes por dia. 





domingo, 26 de junho de 2022

o cocar do papa

 Até o Papa Francisco pôs um cocar simbólico. O CIMI (Conselho indigenista missionário) diz que Sua Santidade está não apenas preocupado, mas muito informado, apesar da saúde agora delicada. Nós também, Santidade, lhe desejamos força. Papa como esse nunca houve, e nem sequer  houve religiosos entre os mis recentes mortos da floresta.

Há um desequilíbrio porém. Vejo sempre citarem a irmã Dorothy, outra vítima da ganância, e o saudoso Chico Mendes. Porém as vítimas locais, indígenas geralmente,  deixam rastros locais. Furou um pouco essa barreira o Maxciel, de Tabatinga e membro da Funai, por  isto e por ser o mais recente. No geral, a invisibilidade os persegue após a morte. Chico Mendes erra caboclo, articulado e falava português.  Mesmo falando quase todos também o português os indígenas caem sem ruído, como pisavam na mata. Sábado 25, ontem mesmo, num confronto do MS um jovem guarani  kaiowá morreu, o nome não foi revelado.  Maxciel já não é o mais recente.

E a terra é afinal deles. 

O mandatário evita mencionar o caso. Quando a diretoria da FUNAI, por ele aparelhada, e que demitira o indigenista, trabalhando este  afastado por conta própria, sentiu desconforto o bastante para emitir nota de pesar e solidariedade, aí se manifestou, enfim. Eram as vítimas "mal vistas" .e o lugar perigoso. Também existe um vídeo (com o jornalista), em que agressivamente afirma que a Amazônia não é deles, é do Brasil. Sim, é. Mas antes de tudo a Amazônia pertence à Amazônia, às árvores e aves e águas e isso na cabecinha não encaixa. E dos povos nativos. Declara o ilustre  não querer acabar com a Amazônia toda "porque todo mundo sabe que aí dá duas ou três safras e uma seca que acaba com tudo". Verdade. Mas a seca ameaça mesmo com "apenas" a mutilação. Rio depende da árvore, árvore depende do rio.

Como já foi dito em vários lugares, o invasor não tem  cara de jornalista nacional ou estrangeiro. O invasor é traficante e muito armado. O educadíssimo vice tem interesses econômicos locais de todo incompatíveis com a preservação e dos quais alguns estariam à margem da lei..

Arrumaram um laranja que já foi descartado pela polícia. Mandantes ainda não foram identificados. Como muitas vítimas fatais noutros casos que parecem sentir o perigo, Bruno estava prestes a sair fora. Não teve tempo, e o Brasil não tem tempo. O ritual xucuru antes da cremação lhe terá agradado  muito. Ninguém fará um assim por um país de cultura predadora.
















quinta-feira, 16 de junho de 2022

pinus e pneus

 A melhor prova de tudo que Bruno e Dominic diziam e escreviam foi a sua morte. A melhor prova da inépcia de um governo criminoso foi o comentário do governo que essa região é muito perigosa, lá não se deve ir.

Na hora de deixar desmatar, a Amazônia é nossa, e preocupação é ingerência. Não custa lembrar que em sua primeira viagem internacional como presidente, o mandatário, vendo as montanhas suíças cobertas de tuias e outras coníferas nativas, exclamou, Viu, reclamam da gente e aqui também desmataram e replantaram tudo com pinus!

Pois é, mas na hora de preservar não são capazes. Faz tempo, a imprensa havia pincelado o cenário do pesadelo. Na fronteira, madeireiros, garimpeiros, narcotraficantes armados até os dentes e até remanescentes do Sendero Luminoso. Desses não se fala mais; morreram sem deixar saudades ou se tornaram traficantes. Nada teria de estranho, estaria dentro de sua logica.

Tão melindroso quando políticos e jornalistas estrangeiros exigem o fim do desmate, não conseguem militares e governantes brasileiros proteger as áreas front4iriças. Sim, imensa e difícil de fiscalizar. Mas por que fechar os olhos para o tráfico e apontar o dedo para ambientalistas? Narcotráfico não é ingerência?

Agora que os restos mortais foram entregues à perícia, a pergunta qye não quer calar é, Que corpos eram aqueles, amarrados a troncos de arvores, com os pertences do jornalista e do ambientalista do lado, já que não eram os corpos deles? Tratou-se de uma ficção da polícia local ?  com que finalidade?

O presidente estará na Amazônia esses dias, não para ver o que se pode fazer quanto às fronteiras, mas para participar de motociata. Furem os pneus!




quarta-feira, 1 de junho de 2022

falácias e farrapos

 A Comissão da Câmara vai perguntar ao Ministro da Justiça como explica o caso Genivaldo e reações do governo. Não perguntará dos 80 tiros lá atrás fuzilando catador inocente  porque seria inJusto, havia então outro ministro. Vale o gesto, mortos não ressuscitam e a opinião do capitão não mudará.

O temor é que a criativa desculpa do Exército para a compra de prót4ses penianas faça escola no Ministério. Lembrando, compram toneladas de leite condensado porque comem, toneladas de Viagra por causa da pressão, mas nada justificava a compra das próteses. Veio a explicação ,que exigiu uns dias a mais para bolar. Compram a prótese PORQUE È A MELHOR MARCA. A outras não são boas. Já vi pedreiros e taxistas aplicarem o raciocínio (outro era o tema) mas do Exército se espera coisa melhor.

Mas se a moda pega...

Por que integrantes da PRF mataram Genivaldo dentro da mala do veículo? Porque esse modelo tem a mala muito espaçosa, você precisa ver a do modelo deste ano! 

Por que o mandatário chamou a vítima de "marginal"?  Por causa da interessante coincidência de letras. Mais da metade! O alfabeto latino é  de todos o mais prático e enxuto, sabia? Compara só com o alfabeto chinês! (o capitão é o tipo de pessoa que diria "alfabeto" chinês).

Por que a primeira-dama  se atirou ao chão num prédio oficial num país laico pedindo avivamentos? Fez porque está viva e em boa forma. Você acha que é qualquer um que pode se atirar de joelhos assim e depois não sair capengando? Capenga basta meu governo.

Por que o Queiroz depositou aquela grana na conta da primeira-dama, já que falamos dela? Vou explicar. Em conta bancária o que se deposita é dinheiros, justamente. Pode ser em espécie ou por cheque, por exemplo, mas dinheiro. Flores, joias, latas de leite condensado precisam ser entregues ao segurança.