Bem-vindo ao Blog do Caminho das Folhas.

domingo, 19 de maio de 2019

os anjos vão dançar jongo

Tia Maria do Jongo, Vó Maria da Serrinha, essa mesma senhora bonitona se foi. Também aos 98 anos não foi surpresa,
Ainda esta semana saiu citada no jornal a respeito de crianças no jongo. Opção polêmica de Mestre Darcy, esse já nos deixou em 2001; mas que salvou o jongo, o da Serrinha em todo caso.
Há gente que pensa que todo jongo é da Serrinha e gente que pensa que todo floral é de Bach. Não há porém dúvida que o renascer do jongo da Serrinha favoreceu o renascer do jongo salgueirense, quase morto perto da virada do século e que brotou das cinzas há poucos anos.
Favoreceu também não a continuidade, pois ia muito bem das pernas, mas a divulgação do jongo da serra fluminense e paulista e a existência de festivais. O jongo como se sabe se expandiu com os escravos bantos; Rio de Janeiro, São Paulo, Espírito Santo e Minas Gerais.
Esse renascer específico na Serrinha teve um preço: a teatralização do jongo local, com a entrada de instrumentos como o violão, e a permissão e mesmo estímulo aos impúberes; não se permitia pois o jongo pertence a Exu.
Cada vez mais distante da curimba e cada vez mais teatralizado, haja vista as roupas de palco que  há anos deixaram de ser brancas, o jongo da Serrinha tinha sofrido uma espécie de cisão, com jovens mais comprometidos com tradição formando o seu próprio grupo. Que até onde tenho notícia não pretendia subir em palco e não subiu.
Tia Maria era católica, não sentia falta das tradições mais religiosas da dança, e seu coração se alegrava quando via um garoto ou garota crescer e continuar a dançar o jongo nas rodas.
Mas venerava as Almas, cultuadas tanto pelo catolicismo como pela Umbanda.
Agora que se encantou, que ela própria é uma Alma, olhe pela "proteção ao jongueiro novo, pro jongo não se acabar!" 
E na sua grande generosidade, ensine os anjos a jongar.




segunda-feira, 13 de maio de 2019

triste de maio

Pouco há que se comemorar nesse Treze de Maio. Menos porque foi ontem o dia das Mães e o coração coletivo ainda sangra por mortos recentes, escandalosamente abatidos.
Duas viúvas, uma já mãe e a outra futura, e livrando-se (até agora) por um triz de ter de provar que os companheiros não eram bandidos. Mas entre perícia, relatos de testemunha e um morador que filmou a cena, cai por terra a versão do catador armado com Uzi ou o que fosse.
O Exército precisa assumir o erro, não basta manter encarcerados os soldados (que nem isso queriam fazer, viva as duas juízas militares que  decidiram); é essencial o contato com as famílias não apenas para desculpar-se, como para assumir alguns custos.
Além disso muitas balas erraram o alvo e perfuraram automóveis e lojas. Por acaso não houve mais mortes. Tiros porcos, como definiu o vice-presidente. Mas a qualidade do tiro é o de menos no caso.
Estas vítimas são exemplo de como o armamentismo não soluciona nada.
Que os santos todos possam proteger crianças, inocentes e a terra em que vivemos, vista por alguns como galinha dos ovos de ouro em vez de ser reverenciada. Aí está o calor absurdo para  época do no, demonstrando a triste verdade do aquecimento do planeta.
Mas será que esses engravatados sentem calor, em seus escritórios refrigerados o ano inteiro?